[ editar artigo]

Biografia de Michael Jordan é imperdível para os amantes de esportes

Biografia de Michael Jordan é imperdível para os amantes de esportes

Foto: Ana Bubola 

Se você é um apaixonado por basquete ou esportes no geral, você precisa ler essa biografia: Michael Jordan – A história de um campeão e o mundo que ele criou – David Halberstam, Editora 34, 2013. Muitas pessoas conhecem quem foi Michael Jordan, para muitos o melhor jogador de basquete de todos os tempos, mas será que todos sabem os bastidores por trás de sua gloriosa história? 

Michael Jeffrey Jordan nasceu em 17 de fevereiro de 1963, no bairro do Brooklyn, em Nova Iorque. Porém, essa informação você encontra facilmente no Wikipédia ou no Google. O ídolo do Chicago Bulls, time da NBA no qual Jordan brilhou entre 1984 e 1998, foi muito mais do que apenas um grande jogador de basquete. Ele foi exemplo de superação, perseverança e dedicação, atributos que o levaram a seis títulos da liga norte-americana de basquete, em seis finais disputadas, e dois ouros olímpicos, o segundo com o emblemático “Dream Team”, em 1992, em Barcelona. 

O livro passa por vários momentos da vida do eterno camisa 23 dos Bulls. E alguns deles são bem marcantes e não tratam apenas de basquete. Não tem como não mencionar a relação de Michael Jordan com seu irmão mais velho, Larry, um dos responsáveis por acender no ainda jovem Michael a sede por vitória e competição. “Irmãos mais novos normalmente buscam seu lugar no mundo tentando vencer a aparentemente intransponível e permanente distância que os separa dos mais velhos, que parecem mais talentosos e realizados”. No quintal de casa, uma pequena quadra de basquete era o palco de grandes duelos entre os dois e a receita para uma intensa rivalidade e amor fraternal que Michael tinha por Larry. 

Outra passagem do livro, essa muito emocionante, é sobre a morte do pai de Michael Jordan. James Jordan foi assassinado em agosto de 1993, depois de ir a um funeral de um amigo. Dois homens o mataram e levaram o carro, e o fato mexeu muito com Michael. O pai havia se tornado uma espécie de amigo íntimo e irmão mais velho desde o início da carreira do filho em Chicago e sua presença nos jogos e no ambiente da NBA ajudava a diminuir a pressão e relaxar o camisa 23. E o mais triste dessa história é o que é contado nessa citação. “Michael ficou arrasado com sua morte, pelo fato de que sua fama e influência fizeram da morte e do funeral de seu pai – normalmente uma cerimônia privada – um evento quase público”. Prova de que nem todas as estrelas do esporte são as máquinas que a maioria pensa que são. 

Eu, como apaixonado por basquete (muito por influência de meu pai e também de Michael Jordan) li esse livro com muito prazer e o leria de novo facilmente. Foi muito legal conhecer mais desse ícone do esporte. E o mais interessante dessa biografia é que ela envolve muitos outros personagens que foram centrais na vida de Michael. Com a leitura, pude saber mais do que simplesmente que o Chicago Bulls derrotou os Los Angeles Lakers nas finais da NBA de 1991, por quatro jogos a um. Soube da dura que Michael Jordan levou do treinador Phil Jackson no final da quinta e última partida da série, para passar “essa maldita bola” para John Paxson, colega de time. Fato assimilado por Jordan e que os ajudou a vencer a jogo por 108 a 101, o que marcaria primeiro título dos seis conquistados pelo Chicago Bulls, em uma das maiores dinastias da história da NBA. 

Para mim foi também incrível saber o que aconteceu depois do último título de Jordan, em 1998, o sexto dos Bulls e o fim de uma era no basquete dos Estados Unidos. Claro que o time não se resumia apenas ao camisa 23. Jordan sempre teve grande apoio de outro grande craque, Scottie Pippen, jogador praticamente do mesmo nível de Michael. E foi comovente ler sobre o brinde feito entre os dois, nas comemorações do título. “Ele se levantou e brindou a Jordan. “Nada disso teria acontecido sem você”, foram suas palavras. Foi um momento muito bonito, um grande jogador brindando a um jogador ainda maior num momento em que parecia ser o fim de uma carreira fenomenal e todos se levantaram e saudaram”. 

O livro é espetacular e muito bem escrito. Na coluna anterior, sobre Johnny Cash, disse que não sou muito fã de biografias, e continuo com esse pensamento. Mas, como já havia ressaltado, se o personagem é um ídolo seu, as chances de apreciar a leitura são infinitamente maiores. E foi isso que aconteceu nessa biografia de Michael Jordan. A recomendo, pois, o livro fala de muitas outras coisas além de basquete. Fala sobre rivalidade e paixão familiar, negócios no mundo dos esportes, luto, superação e, claro, conquistas. E ainda é sobre uma das maiores personalidades do século vinte. 
 

Colunistas - RIC Mais PR
Guilherme Osinski
Guilherme Osinski Seguir

Formado em jornalismo pela PUCPR, Guilherme Osinski é natural de Curitiba e apaixonado por livros, principalmente os de suspense e ficção policial.

Ler matéria completa
Indicados para você