[ editar artigo]

Cristais raros

Cristais raros

É manhã outra vez, mas não dormi sequer um minuto.

Remoí os pensamentos pela noite toda.

Eu te vi nesses desatinos e te toquei longamente.

Virei-me como um doido, mas não te senti.

Mesmo que uma última vez, eu preciso te ver.

Aceito teu não, mas só olhando nos meus olhos.

 

A distância pode iludir os sentimentos, eu sei.

Mas os olhos dizem muito num lampejo.

Não me canso de te buscar pelas altas horas.

Meio retardado, já caminhei pelas ruas estreitas.

Em mim, se alarga esta saudade e a paixão queimante.

Sinto tua pele, vejo teu sorriso e mergulho no escuro.

 

Há mil sóis quando abre estes olhos. Cristais raros.

Teu beijo é eucaristia que comungo em oração silenciosa.

Quando se doa, me ganha por inteiro. É meu sol intenso.

Eu te dedico meu espírito, pois meu corpo já te pertence.

Teço mil elucubrações para te buscar nestas noites.

Alvas são as madrugadas que me trazem você num sonho.

 

Mesmo quando rolo pela cama à noite, eu sorrio de manhã.

Enveredo pelos caminhos da ilusão e te respiro.

Tornou-se minha atmosfera, meu ar necessário.

Pelos meus poros entra e permanece, pois é de luz.

Vejo-te em destaque. Transborda em meus devaneios.

Nado contigo no lago azul da vida. Numa mágica, fazemos amor.

 

Jossan Karsten

 

Colunistas - RIC Mais PR
Jossan Karsten
Jossan Karsten Seguir

Jornalista, publicitário e escritor.

Ler matéria completa
Indicados para você