[ editar artigo]

Linguagem

Linguagem

Como ave da paz, a bola voa, gorjeia, faz piruetas no ar, dança, arranca sorrisos.

A cada toque, a união das diversas tribos por um só objetivo, a celebração.

A bola da paz parece ter vida própria e enlaça, com sutileza, os destinos.

Há toda uma magia em um simples toque de bola. As células respondem, saúdam.

Em um passe, por simples que seja, o cruzamento de histórias, de vidas.

Amizades são feitas, seladas, perpetuadas através dos toques de bola.

Para além das competições, somos feitos para a troca, para o conhecimento.

 

Futebol não é um simples jogo, mas sim, um espaço para o novo, para o belo.

Ser, não ser, viver e estar se entrecruzam, se tocam, dançam e coexistem.

No ventre, em formato de bola, nos deixamos crescer em paz e sorrimos.

Quando damos nossos primeiros chutes, anunciamos que estamos bem, felizes.

Há toda uma torcida lá fora, na grande expectativa. Já nascemos campeões.

Uma vez nos braços de quem nos espera, somos a celebração, muito mais que troféu.

Bola, nos pés ou nas mãos, torna-se elo entre mentes, almas, corações, vidas...

 

Dentro e fora dos campos, das quadras, que a bola seja ave da paz.

Por onde quer que voe, a cada passe, a cada toque, que ânsia pela vida se aguce.

Ganhar ou perder nada significam se não há a leveza, a plenitude, a essência.

A cada gol, a cada comemoração, lá está a bola, ativa, viva, sendo união.

Neste cruzamento de vidas, de costumes, que a paz seja a única religião cultuada.

É preciso que as mãos sejam dadas nas ruas, nas arquibancadas num toque de amor.

Na comemoração de um gol, que a bola simbolize esta ave leve, perfeita, de voo manso.

 

Bola, formato do mundo, ave que voa e que sem dizer nada une, traduz a alegria.

Futebol, paixão que aguça a busca e que revela a mais bela face dos povos.

Ganhar, perder, nada significa quando o que está em jogo é a paz.

Sob as camisas dos times, há corpos, almas, sonhos. Há humanidade.

A bola da paz não é ave de rapina, pois há candura em sua essência.

Nas mãos ou nos pés, dentro ou fora do gol, a bola deve simbolizar o amor.

Pela babel do futebol, nos entendemos, pois falamos com fluência a língua da paz.

 

Jossan Karsten

 

Colunistas - RIC Mais PR
Jossan Karsten
Jossan Karsten Seguir

Jornalista, publicitário e escritor.

Ler matéria completa
Indicados para você