[ editar artigo]

Lingueta

Lingueta

O som da lingueta da porta tine e vai fundo em meus tímpanos.

Tempo se fechando para que o mundo se abra e a vida flua.

Vejo-te neste momento e está divina, lívida, louca de desejos.

Despe-se de todas as fantasias, pois tudo é real e só nosso.

A vida acontece depois do som metálico da lingueta da porta.

Céu e terra se confundem e os corpos se unem num ato único.

Bocas, sexos, pele, alma e amor se mesclam na plenitude.

Percebo que o mundo é mais do que imaginação e viajo feliz.

 

Na doçura dos teus beijos, pertenço a outra esfera.

Tua língua em meu corpo é prazer infinito.

Deixo-me flutuar em tuas brumas macias.

A lingueta da porta é o sinal que faltava.

Estalido que é o código mais raro que já existiu.

Jeito perfeito de fazer amor depois que a porta se fecha.

Pelas veredas do teu corpo, eu entro sem medo.

Deixo-me ficar e, na explosão, há pétalas multicores.

 

Faz questão de dançar sobre meu corpo.

Exala o mais perfeito aroma na iminência do gozo.

Sorri com leveza na saciedade da vida e da alma que de luz.

Olha nos meus olhos e me faz adormecer em meio a sonhos.

Quando desperto, sinto-me perdido, pois ouço o estalido.

A lingueta da porta soa como alarme de solidão, agora.

Você se vai, mas em mim ficam as marcas do amor.

Minha cabeça roda em sentido reverso. Quero tudo de novo.

 

Jossan Karsten

 

Colunistas - RIC Mais PR
Jossan Karsten
Jossan Karsten Seguir

Jornalista, publicitário e escritor.

Ler matéria completa
Indicados para você