[ editar artigo]

'O Regresso' é um dos grandes livros do século XXI

'O Regresso' é um dos grandes livros do século XXI

Foto: Ana Bubola 

Sou uma pessoa interessada por histórias épicas, nas quais os personagens passam por situações que muitas vezes estão longe da nossa realidade. E esse é exatamente o caso do livro O Regresso – Michael Punke, Editoria Intrínseca, 2002- trama baseada na história real de Hugh Glass, um caçador de peles que, no longínquo ano de 1823, enfrentou a morte diversas vezes após uma batalha sangrenta contra um urso-cinzento.

O livro, assim como o filme de mesmo nome estrelado por Leonardo DiCaprio , é sobre uma grande história de superação. Como os fatos com Hugh Glass aconteceram há cerca de 200 anos, o escritor Michael Punke e o diretor Alejandro González Iñarritu tomaram a liberdade de dar novos contornos à impressionante saga ocorrida no Século XIX. Assim, livro e filme possuem algumas diferenças: nas telonas, por exemplo, o personagem de DiCaprio tem um filho, cujo trágico destino motiva Hugh Class a seguir em frente em busca de vingança e justiça.

No entanto, o que realmente se sabe é que esse caçador de peles, tido como um dos melhores na época, foi gravemente ferido depois de ser atacado por um urso-cinzento que protegia seus filhotes. Glass, para a surpresa de todos seus companheiros da Companhia de Peles Montanhas Rochosas, sobrevive mesmo com múltiplas lacerações pelo corpo. E então uma grande traição acontece: John Fitzgerald, responsável por garantir a segurança de Hugh Glass, não só o abandona no meio do nada, como leva também as armas e demais suprimentos do colega.

O Regresso pode sim ser agoniante para os leitores, pois em grande parte temos um Hugh Glass sofrendo à beira da morte. Por outro lado, é também uma grande fonte de inspiração àqueles que estão passando pelas mais distintas dificuldades na vida, pois, mesmo enfrentando um urso e passando frio e fome intensa, Glass encontrou uma maneira de continuar respirando, já que desistir simplesmente não era uma opção para ele.

 A história em si mostra como o homem tem muitos instintos primitivos que estão guardados dentro de nós, esperando apenas um gatilho para aparecerem. É claro que na época desse incrível acontecimento as coisas eram realmente mais “animais”, sobretudo a maneira de viver. A trajetória de Hugh Glass foi muito interessante para mim, pois a cada capítulo eu ficava ainda mais intrigado em saber qual era o limite desse personagem ou quão longe ele seria capaz de ir, movido por dois grandes propósitos: sobrevivência e vingança.

Um evento épico, muito bem retratado tanto no livro como no filme. Com certeza, uma leitura que serve como motivação. Que cada um de nós sejamos um pouco como Hugh Glass, principalmente no sentido de não desistir jamais. O Regresso é uma grande obra de arte sobre uma história que tem tudo para ser perpetuada por mais 200, 400, 600 anos.

Colunistas - RIC Mais PR
Guilherme Osinski
Guilherme Osinski Seguir

Formado em jornalismo pela PUCPR, Guilherme Osinski é natural de Curitiba e apaixonado por livros, principalmente os de suspense e ficção policial.

Ler matéria completa
Indicados para você