[ editar artigo]

Pátria Deseducadora

Pátria Deseducadora

 

Quando eu era criança fazia de conta que era professora. Pedaço de construção na mão, risco na rua. Quase sempre terminava em amarelinha e  num dia produtivo de brincadeiras. Ser professor era inspirador. Eles eram admirados , respeitados. Assim como tínhamos respeito pelos pais, o respeito aos professores era um comportamento comum entre os alunos.  Havia admiração. Meu professor de ciências, Luiz  Felipe, ainda no ensino fundamental, era inspirador.  Também havia temor pela figura deles em sala de aula. Havia consenso de que, se a gente desrespeitasse um professor, a situação em casa ficaria séria. Quanta coisa mudou! 

Esta semana, uma pesquisa realizada em 35 países pela Varkey Foundation, mostrou um dos tristes lados da educação brasileira: o Brasil caiu para a última posição no ranking de prestígio dos docentes.

Não é preciso ser professor, nem especialista em educação, para entender o que nos levou a essa bancarrota educacional. Professores sobrecarregados, salários baixos, falta de respeito dos alunos. A migração de estudantes da rede pública para a privada  nas últimas décadas (para quem pode pagar ) foi um sinal de alerta, ignorado pelos governos que só se preocuparam em passar os alunos,  inflando índices de combate à evasão escolar, e consequentemente, fazendo  bonito para o Banco Mundial.  

Conheço alguns professores, que me confidenciaram a dificuldade enfrentada  não só em sala de aula, mas em lidar com o atual sistema. Precisam passar alunos. Se eles aprenderam algo? Parece que pouco importa. 

Lembro aqui que o problema não é dinheiro. Gastamos 6% do PIB com educação, acima da média de países ricos. Boa parte disso vai para o ensino Superior. A ponta, lá embaixo, o ensino fundamental fica à mercê de investimentos e de valorização. 

Enquanto não invertermos essa pirâmide, jamais seremos uma pátria educadora. As crianças não sabem mais o que é brincar na rua, agora ganham aparelhos de celular. A tecnologia é inevitável e está fora da didática pedagógica. Nossos professores ainda aprendem a lecionar do mesmo jeito que faziam no século passado. Nossos alunos recebem mais informação fora do que dentro de sala. Um desafio gigantesco, que não pode recair sobre os ombros já dormentes dos professores. Envolve pais, governos. É um desafio do tamanho da nossa pátria. 

Colunistas - RIC Mais PR
Ler matéria completa
Indicados para você